Candidato precisa ser referência na pesquisa do eleitor e a primeira coisa a se fazer é disponibilizar o maior número de informações 

Em época de eleições municipais, muito se fala em como um eleitor pode escolher um bom candidato, mas e quanto ao candidato, como se destacar e se apresentar de forma mais acessível ao público?

O candidato precisa ser uma referência na pesquisa do eleitor e a primeira coisa a se fazer é disponibilizar o maior número de informações sobre a candidatura, o histórico pessoal e profissional, a bandeira defendida e o partido filiado, transparência com relação a justiça, o ponto de vista ideológico e propostas. Um bom candidato deve respeitar a legislação, especialmente no caso de concorrer a um cargo legislativo, como de vereador, uma vez que, se eleito, trabalhará na manutenção das nossas leis.

Se a candidatura é para primeiro mandato também informe sua formação profissional. Se é médico, que tipo de serviço presta? Se é advogado, atua para quais organizações? A forma com que exerce sua profissão é um bom indicador de como desempenhará o cargo ao qual está concorrendo.

No caso de candidatura para novo mandato, deixe claro o número de sessões que compareceu, os projetos que apresentou, como votou em outros projetos, especialmente aqueles mais polêmicos.

Para isso, utilize as redes sociais, sites, blogs, discursos e todos os meios de comunicação permitidos, tudo conforme a Lei Eleitoral 9.504 de 1997. Por meio destas plataformas e ainda, da Propaganda Eleitoral Gratuita, informe o eleitor com ética e responsabilidade, sem espalhar fake news.

Envolva-se com o município, conhecendo à fundo as necessidades da região. Observe quais problemas são prioritários e se eles convergem com aquilo que se percebe pelo candidato e com o que as enquetes elaboradas pelos institutos de pesquisa afirmam. É preciso haver compatibilidade entre as necessidades da cidade e aquilo que o candidato propõe.

Importante lembrar que promessas não realizáveis podem significar duas coisas: ou o candidato não tem conhecimento do cargo que pretende ocupar ou está agindo de má fé. Ambos os casos são sinais de que o candidato não é o mais indicado para assumir uma função tão importante.

Boa campanha a todos!

 

*Maria Rosas é deputada federal pelo Republicanos São Paulo e secretária estadual do Mulheres Republicanas SP

Related Posts