Brasília (DF) – Pensando nas pessoas com deficiência, a deputada federal e também segunda vice-presidente da Comissão de Defesa da Pessoa com Deficiência, Maria Rosas (Republicanos/SP), faz um alerta diante do coronavírus (covid-19).

De acordo com as Secretarias de Estado da Saúde e dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SED-PcD/SP), é importante esclarecer que ser uma pessoa com deficiência não significa, por si só, que ela apresente maior vulnerabilidade a covid -19. Há entre essas pessoas àquelas que apresentam dificuldade para se comunicar, restrições respiratórias e fazem uso de medicamentos específicos. Portanto, estes são alguns dos fatores que exigem maior cuidado.

“As pessoas com deficiência intelectual não conseguem explicar o que estão sentindo. Por isso, é necessário observar as mudanças de comportamento e reforçar as medidas de prevenção”, aponta a deputada.

A republicana reforça que, para enfrentar a pandemia é essencial que as informações sobre como prevenir e conter o coronavírus sejam acessíveis para todos. “As campanhas de informação pública devem estar disponíveis em língua de sinais e em modos, meios e formatos acessíveis, incluída a tecnologia digital, as legendas, os serviços de retransmissão, as mensagens de texto, a leitura fácil e a linguagem simples”, observa.

Segundo ainda as Secretarias o tratamento deve ser redobrado com as pessoas com deficiência em quadro neurológico e idosos, pois, estes podem apresentam sintomas específicos com a infecção do covid-19, como perda de mobilidade, força e memória, fadiga e piora brusca no quadro geral de saúde. A orientação é não interromper o uso dos medicamentos regulares, exceto por ordem médica, e alertam para o uso de medicação imunossupressores, que podem elevar o risco à pessoa com deficiência a contrair a infecção. A recomendação é maior atenção quanto a higienização de cadeiras de rodas, bengalas, andadores e outros meios de locomoção. É ressaltada também a importância dos cuidados com o grupo de risco, como pessoas acima de 60 anos de idade, em condições autoimune, diabéticos ou hipertensos.

Proteja-se

As ações de prevenção devem ser para todos: lavar frequentemente as mãos com água e sabão; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar aglomerações; manter os ambientes bem ventilados; não compartilhar objetos pessoais e evitar contato próximo com toque ou aperto de mãos.

Texto e foto: ASCOM Maria Rosas