São Paulo (SP) – Desde a semana do dia 9 de março, uma questão que vem preocupando o mundo inteiro, e começou a ser pauta de discussão no país, é o coronavírus, No começo daquela semana foram registrados 25 casos confirmados no Brasil. A partir desse número, medidas começaram a ser tomadas, entre elas algumas que influenciam diretamente na vida dos cidadãos, como as escolas.  

No programa da Rede Record “Hoje em Dia”, Celso Russomanno (Republicanos/SP) esclareceu dúvidas dos pais de alunos sobre o funcionamento das escolas durante o período de pandemia, e explicou a medida de suspensão das aulas nas escolas. As principais questões eram sobre a reposição das aulas perdidas e como seriam as futuras férias dessas crianças.

O deputado também explicou que as medidas de suspensão das aulas estão corretas, pois, de acordo com o Art.8º do Código do Consumidor, os produtos e serviços colocados no mercado não devem acarretar riscos para a saúde ou segurança dos mesmos, obrigando os fornecedores a darem informações necessárias e adequadas ao seu respeito. Sendo assim, a precaução é necessária, pois se houver um caso de coronavírus na escola e a mesma não tomar as devidas providências, ela terá que responder judicialmente por ter colocado em risco a saúde de outros alunos.

No dia 14 de março, durante uma conversa com o Secretário da Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, ao vivo no programa “Cidade Alerta”, foram esclarecidas as medidas que iriam ser tomadas pelo governo de São Paulo nas escolas em relação à prevenção da doença.  Durante o programa, Celso Russomanno voltou a falar sobre as medidas de suspensão que são necessárias para a segurança e a saúde dos consumidores, e explicou sobre providências tomadas pelos fornecedores de serviços nesse novo cenário que o país se encontra.

Novas dúvidas foram surgindo ao longo da semana.  O deputado respondeu a todos durante uma transmissão ao vivo no canal do R7 e em suas redes sociais. Dúvidas sobre o cancelamento e adiamento de shows, reagendamento de vôos, calendário das universidades, fechamento de academias, entres outras questões, estavam na pauta. Com o aumento do número de casos suspeitos e confirmados, além das mortes por conta do coronavírus, o governador de São Paulo decretou fechamento de estabelecimentos comerciais que não sejam essenciais (como saúde, alimentação, abastecimento, limpeza, segurança pública e bancos). A medida deve durar até o dia 7 de abril.

Texto: ASCOM Celso Russomanno

Edição: ASCOM Republicanos SP

Foto: Divulgação

Related Posts